TAMPõES CONTêM METAIS, INCLUINDO CHUMBO, ZINCO E ARSéNICO, SEGUNDO INVESTIGADORES

Os tampões contêm concentrações de vários metais, incluindo chumbo, arsénico e zinco, de acordo com um novo estudo, mas é necessária mais investigação para determinar se estas concentrações podem afetar a saúde das pessoas.

Os investigadores avaliaram 16 metais em 14 marcas de tampões diferentes e encontraram "concentrações mensuráveis" de todos os metais avaliados.

Entre estes incluíam-se metais tóxicos como o chumbo, o cádmio e o arsénico, e níveis elevados de cálcio e zinco em comparação com os outros metais.

Os tampões são normalmente feitos de algodão ou rayon e são utilizados para absorver o fluxo menstrual no interior do corpo.

Os investigadores afirmam que o produto é particularmente preocupante no que respeita à potencial exposição a substâncias químicas, uma vez que a vagina é "altamente absorvente" e as pessoas que menstruam utilizam-nos regularmente durante anos.

"Este estudo é um primeiro passo porque, embora tenhamos encontrado metais nos tampões, não sabemos se os metais podem sair dos tampões e ser absorvidos pelo corpo. Não sabemos se os metais nos tampões têm impacto na saúde", disse Jenni Shearston, pós-doutorada na Universidade da Califórnia, em Berkeley, e principal autora do estudo, por e-mail, à Euronews Health.

"É por isso que é muito importante continuarmos a estudar os tampões, especialmente porque um grande número de pessoas (cerca de 52 a 86% das pessoas que menstruam) usa tampões e usa-os durante décadas", acrescentou.

Havia diferenças entre os tampões, por exemplo, as concentrações de chumbo eram mais elevadas nos tampões não orgânicos, enquanto o arsénico era mais elevado nos orgânicos.

As pessoas que menstruam devem preocupar-se com os resultados do estudo?

Os estudos que medem a quantidade de metais e produtos químicos nos produtos menstruais "são importantes mas, por si só, são insuficientes para dizer se as pessoas que menstruam devem ou não preocupar-se", disse Kabrena Rodda, conselheira sénior em química analítica e instrumentação no Laboratório Nacional do Noroeste do Pacífico, nos Estados Unidos, por e-mail, à Euronews Health.

Kabrena Rodda, que não participou no estudo, afirmou que a realização de novas investigações para medir a quantidade destes materiais na corrente sanguínea poderia ser importante, mas que seria complicado, uma vez que "os materiais absorventes utilizados nos produtos menstruais são também utilizados no vestuário, nas toalhas, na roupa de cama e noutros artigos domésticos comuns".

"Mesmo que a absorção dos materiais estudados ocorra num grau elevado, também precisaríamos de explorar até que ponto a exposição através de outros meios, como o uso de roupas feitas do mesmo material, aumenta ainda mais os níveis sanguíneos", afirmou.

Graham Peaslee, professor de física na Universidade de Notre Dame, nos EUA, que já testou produtos químicos de higiene feminina, disse num e-mail que a sua maior preocupação é que "o zinco parece ser intencionalmente adicionado a muitos tampões - que é exatamente o que encontrámos noutros produtos têxteis, como os têxteis utilizados nas cuecas menstruais".

Peaslee afirmou que o cobre e o zinco são frequentemente adicionados a têxteis como o algodão para reduzir o odor, uma vez que são antimicrobianos, mas algumas investigações sugerem que podem não ser tão eficazes no vestuário utilizado no corpo humano como o são no laboratório.

Entretanto, afirmou que nem as concentrações de chumbo nem de arsénico pareciam muito elevadas, "pelo que, para os utilizadores, não é necessário preocuparem-se com a maioria dos metais observados neste estudo".

Shearston, entretanto, disse que os fabricantes deveriam testar os seus produtos para detetar metais e os autores do estudo apelaram a mais investigação para testar o impacto das suas descobertas na saúde.

Os produtos de uso periódico têm sido cada vez mais objeto de escrutínio, sobretudo por conterem substâncias per e polifluoroalquílicas (PFAS), também conhecidas como "químicos para toda a eternidade", que têm efeitos perigosos no ambiente e na nossa saúde.

2024-07-08T18:27:58Z dg43tfdfdgfd